Nota do Enem só sai em janeiro; gabarito será divulgado nesta 4ª

O gabarito oficial do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) será divulgado nesta quarta (16), mas os participantes só conhecerão suas notas em janeiro do ano que vem. A data ainda não foi definida.

No Enem, a nota da parte objetiva não é baseada apenas na quantidade de acertos, como ocorre em outros vestibulares. O sistema de elaboração e correção leva em conta também quais questões cada candidato acertou em cada parte da prova (linguagens, matemática, ciências da natureza e ciências humanas).

Dessa forma, dois candidatos que tenham acertado o mesmo número de questões não necessariamente terão a mesma nota. Vai depender do desempenho geral em cada parte da prova -que têm uma nota separada.

Errar itens fáceis e acertar um difícil, por exemplo, faz com que a pontuação desse item difícil seja menor do que se ele tivesse ido bem nas fáceis. É como uma punição para um possível chute: o padrão de respostas do participante na prova é considerado no cálculo do desempenho dele.

Esse modelo matemático se chama TRI (Teoria de Resposta ao Item). A metodologia qualifica cada item por três parâmetros: grau de dificuldade, possibilidade de acerto ao acaso (o chute) e poder de discriminação, que é a capacidade de um item distinguir os estudantes que têm a proficiência requisitada daqueles quem não a têm.

“Essas características permitem estimar a habilidade de um candidato avaliado e de garantir que essas habilidades, medidas a partir de um conjunto de itens, sejam comparadas com outro conjunto na mesma escala, ainda que eles não sejam os mesmos e que haja quantidades diferentes de itens usados para o cálculo”, explica o MEC (Ministério da Educação) em texto sobre esse modelo.

Para calcular esses parâmetros, a organização do exame realiza faz pré-testes com as questões que podem ser utilizadas. Ou seja: vários estudantes respondem a essas questões em aplicações anteriores ao Enem. Assim, as questões são classificadas como fáceis, médias e difíceis.

Outra característica da TRI é que as notas não variam entre zero e mil. As notas mínimas e máximas do exame dependem do desempenho dos itens selecionados.

Só a redação do Enem tem uma escala (que vai de zero a mil). Porque os textos são corrigidos por uma banca de avaliadores.

Como os níveis de dificuldade são supostamente controlados pela TRI, a adoção do modelo ainda permite que haja duas provas diferentes no mesmo ano. Ou que as notas de cada edição sejam comparáveis.

A TRI é usada desde 2009 no Enem, quando o exame se tornou o vestibular para a maioria das universidades federais. A USP, por exemplo, também adota a nota para selecionar parte dos alunos.

+ Após polêmica, Jardim se emociona ao falar de violência no RJ

CALCULE SUA NOTA

Os candidatos podem conferir seus desempenhos no aplicativo “Quero minha nota!”, da Folha de S.Paulo em parceria com a empresa de tecnologia educacional TunEduc.

Depois de baixar o aplicativo, o usuário deve preencher suas respostas no Enem. Então, com base no gabarito do exame, o Quero minha nota! entrega uma estimativa bastante precisa da nota no exame de cada usuário. Com informações da  Folhapress.